Curiosidades

Congada e as memórias da escravidão: 133 anos do fim da escravatura no Brasil

A partir do dia 13 de maio de 1888 o futuro do país mudaria para sempre. Há exatos 133 anos, Princesa Isabel assinava a Lei Áurea, decisão histórica que decretaria o fim da escravidão no Brasil.

Após três séculos de trabalho forçado, foi promulgada às pompas como a lei mais popular e a última do Brasil Imperial (1822-1889). Mesmo assim, o Brasil foi o último país do Ocidente a abolir a escravatura.

Mesmo com a imigração italiana do fim do século XIX e início do século XX, o Sul de Minas conseguiu conservar em sua identidade cultural e étnica os traços negros. São elementos de uma cultura que não se apagou com o tempo, se arrastando desde os períodos de escravatura, nas senzalas das fazendas cafeeiras da região, até os dias atuais. 

A identidade cultural e étnica é mantida em parte pelos grupos de congadas no Sul de Minas. Os ternos, como são chamados, são parte presente na história de diversas cidades da região.

O historiador e professor Alisson Eugênio, da Universidade Federal de Alfenas (Unifal), dedicou parte de sua pesquisa a entender o papel do negro na formação histórica de Minas Gerais.

“Em alguns lugares, antes do fim da escravidão, os senhores de escravos permitiam a manifestação das congadas e a organização de irmandades, controladamente, porque percebiam que essa permissão dava aos escravos um ligeiro conforto e acalmavam as revoltas e fugas”.

A tradicional Festa da Congada em Jacuí é realizada no período de 26 a 28 de dezembro com a participação dos ternos Canutinhos, Família Macedo e União Jacuiense, que contam com quase 200 componentes cada. Os ternos fazem parte dos bens imateriais do Município.

Etiquetas
Mostrar mais

Gabriel Baquião Vidigal

Graduando em Ciência da Computação pelo Instituto Federal do Sul de Minas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo