ColunistasTania Cristina Nunes

VIOLÊNCIA OCULTA

As simples brincadeiras aparentemente inofensivas ainda nas primeiras fases da infância podem se transformar em grandes problemas.

Hoje vamos tratar de um assunto que vem preocupando os pais, professores e principalmente os profissionais da psicologia, “O BULLYING”.

Para entendermos melhor sobre o assunto devemos entender o conceito de bullying.

O que é bullying?

Bullying é a prática de atos violentos, intencionais e repetidos, contra uma pessoa indefesa, que podem causar danos físicos e psicológicos às vítimas. O termo surgiu a partir do inglês bully​, palavra que significa tirano, brigão ou valentão, na tradução para o português.

No Brasil, o bullying é traduzido como o ato de bulir, tocar, bater, socar, zombar, tripudiar, ridicularizar, colocar apelidos humilhantes e etc. Essas são as práticas mais comuns do ato de praticar bullying. A violência é praticada por um ou mais indivíduos, com o objetivo de intimidar, humilhar ou agredir fisicamente a vítima.

O bullying geralmente é feito contra alguém que não consegue se defender ou entender os motivos que levam à tal agressão. Normalmente, a vítima teme os agressores, seja por causa da sua aparente superioridade física ou pela intimidação e influência que exercem sobre o meio social em que está inserido.

O bullying pode ser praticado em qualquer ambiente, como na rua, na escola, na igreja, em clubes, no trabalho e etc. Muitas vezes é praticado por pessoas dentro da própria casa da vítima, ou seja, pelos seus próprios familiares.

Para a justiça brasileira, o bullying está enquadrado em infrações previstas no Código Penal, como injúria, difamação e lesão corporal. Ainda não existe uma lei que puna os agressores com o devido merecimento.

Bullying na Escola

Uma das formas mais comuns de bullying é o que acontece no ambiente escolar. Em quase todos os países do mundo, o bullying na escola é um problema crônico.

As formas de agressão entre os alunos são das mais variadas e podem acontecer em quase todos os níveis da fase escolar, desde o primário até os últimos anos do ensino médio, por exemplo.

O bullying atrapalha a aprendizagem do aluno, além de afetar o seu comportamento fora da escola.

Os pais e professores devem estar atentos às atitudes de seus filhos e alunos, principalmente em alterações de comportamento, hematomas no corpo e demais situações que pareçam fora do comum.

CONSEQUÊNCIAS DO BULLYING

As pessoas agredidas pelo bullying apresentam alguns sintomas, como:

• Distúrbio do sono • Problemas de estômago • Transtornos alimentares • Irritabilidade • Depressão • Transtornos de ansiedade • Dor de cabeça • Falta de apetite • Pensamentos destrutivos, como desejo de morrer, entre outros.

Em muitos casos as vítimas recorrem a tratamentos psicológicos, como terapias para amenizar as marcas deixadas pela agressão.

Visão pessoal/ profissional

Durante minha carreira como profissional de psicologia pude perceber que os jovens são os mais afetados e também os que mais praticam o bullying. Antigamente já existiam atos e comportamentos nocivos contra crianças e adolescentes nas escolas e até no convívio social do ofendido, contudo, estes jovens de antigamente possuíam mecanismos que os tornavam mais aptos para lidar com tais situações. Particularmente, eu, na minha humilde opinião acredito que estes jovens tinham um senso crítico mais desenvolvido e ao mesmo tempo lidavam melhor com as frustrações.

Nos dias atuais os nossos jovens tornaram se mais susceptíveis e sensíveis às críticas e possuem maiores dificuldades para aceitar e compreender as adversidades.

O uso exagerado da tecnologia e o consequente isolamento familiar e social reforçam e potencializam o fenômeno. É muito comum os jovens de hoje se afastarem do mundo real e se enclausurarem e dessa forma usam a solidão como fuga dos problemas, insultos sofridos e “brincadeiras” de mal gosto.

É importante salientar que o jovem que pratica bullying, muita das vezes não tem ideia do mal que pratica e as vezes não tem noção da nocividade do ato. As vezes o jovem que pratica bullying já foi vítima de agressões, brincadeiras de mal gosto e na primeira oportunidade que tem se sente realizado e no direito de cometer os mesmos atos que viveu.

O que leva o autor do Bullying a praticá-lo?

Querer ser mais popular, sentir-se poderoso e obter uma boa imagem de si mesmo. Isso tudo leva o autor do bullying a atingir o colega com repetidas humilhações ou depreciações. É uma pessoa que não aprendeu a transformar sua raiva em diálogo e para quem o sofrimento do outro não é motivo para ele deixar de agir. Pelo contrário, sente-se satisfeito com a opressão do agredido, supondo ou antecipando quão dolorosa será aquela crueldade vivida pela vítima.

Como identificar um alvo do Bullying?

O alvo costuma ser uma criança ou adolescente com baixa autoestima e retraída tanto na escola quanto no lar.  Muitas vezes por isso é muito difícil o jovem que sofre com o bullying começar a reagir. Aí é que entra a questão da repetição no bullying, pois se o aluno procura ajuda, a tendência é que a provocação venha a cessar. Além dos traços psicológicos, os alvos desse tipo de violência costumam apresentar particularidades físicas. As agressões podem ainda abordar aspectos culturais, étnicos e religiosos.

O que não é considerado Bullying?

Discussões ou brigas pontuais não são bullying. Conflitos entre professor e aluno ou aluno e gestor também não são considerados bullying. Para que seja bullying, é necessário que a agressão ocorra entre pares (colegas de classe ou de trabalho, por exemplo). Todo bullying é uma agressão, mas nem toda a agressão é classificada como bullying.


Para ser considerada como bullying, a agressão física ou moral deve apresentar quatro características: a intenção do autor em ferir o alvo, a repetição da agressão, a presença de um público espectador e a concordância ou submissão do alvo com relação à ofensa.

Conclusão:

Depois de explanar alguns pontos importantes podemos concluir que o Bullying é uma “brincadeira” que pode acabar mal e como já foi até noticiado pelas mídias, em alguns casos que acabaram em morte, devido a agressões e até em suicídios.

Pequenas ações podem mudar o contexto escolar e evitar as principais consequências do bullying. A escola é o centro e um dos principais palcos  deste tipo de conduta nociva e deve valorizar a formação integral e criar um ambiente para fortalecer o convívio entre as pessoas e, para isso, precisa trabalhar os aspectos emocionais dos alunos e promover o autoconhecimento.

É muito importante compreender que o aspecto emocional influencia no aprendizado do aluno. O professor, cada vez mais, passa a exercer um papel de mediador do conhecimento e influenciador em sala de aula.O contato direto e a integração com os estudantes contribuem para fortalecer a confiança dos jovens na escola.

A escola pode utilizar ferramentas para favorecer a comunicação entre alunos e professores com o intuito de facilitar o envio de sugestões ou notificações sobre problemas no ambiente escolar. Assim, o diálogo se torna mais efetivo e transparente e a instituição consegue promover mudanças para evitar casos de agressões.

Além disso, é muito importante envolver os pais no processo de ensino e buscar o apoio deles para criar um ambiente de tranquilidade e respeito na instituição. O bom relacionamento com os pais e responsáveis é fundamental para manter a qualidade de ensino.

De qualquer forma, é fundamental que a escola se preocupe em desenvolver programas para um desenvolvimento dos alunos que vai além do puramente cognitivo. Afinal, o trabalho das competências socioemocionais pode contribuir muito no combate ao bullying.

Quem pratica Bullying pode sim e deverá ser penalizado pelos seus atos. Procure ajuda, denuncie. E você responsável legal, não seja conivente com tais atos pois poderá também sofrer sanções.  

Mostrar mais

Tania Cristina Nunes

Psicóloga, formada pela UNIP. Experiência em terapia infantojuvenil e adulto. Experiência em Transtorno do espectro autista. Psicodiagnóstico com intervenção. Apoio na escolarização e orientação e atendimento a pais e responsáveis.

Artigos relacionados

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo